02 março 2010

FLORES PARA MEU PAI

FLORES PARA MEU PAI
Por Bia Pupin

Renata ligou quatro e dez da madrugada delirante, para a tia, a sua confessora. Precisava saber se estava lá.

-Havia levado as flores? Em prantos perguntava.

Sempre teve essa dúvida, mas só depois do sonho é que ficou claro, de que não se lembrava.

-Eu me lembro, do cheiro das flores e das velas, me lembro do choro também. E que cantei a música que ele me ensinou criança, mas não me lembro do resto, nem do rosto, não me lembro de quase nada.

-Eu estava lá? Por que não me lembro?
Ela sabia que não se lembrava, mas mesmo assim não conseguia se lembrar.

Foi quase estrangulada pelo sonho. A tia sobressaltada tentava acalmá-la e repetia:

-Sim você estava lá. E levou as flores para seu pai.

E Renata repetia:

-Eu não estava lá. Por que não acompanhei o cortejo?

-Foi difícil, mas lá você estava.

Nessa noite elas perderam o sono.

4 comentários:

Marco A.de Araújo Bueno disse...

Renata promete, e não cumpre.Promete um folhetim incrustrado na subjetividade clivada. Não cumpre porque, p.ex., ao dizer 'eu minto', estará dizendo a verdade. Bela estréia Bia, texto esmerado na sinuosidade.
Bravos!

Bia Pupin disse...

Obrigada Marco, por toda a lisonja do convite para o chaleira.E nã há nada que eu goste mais que o paradoxo...

Marcelo Finholdt disse...

Que loucura... uma linha tênue entre o sonho e a realidade...
passo maus bocados com estas coisas, constantemente. Noite passada foi assim.
Aproveitei, pois senti na pele o texto.

Rafael Noris disse...

Não há uma explicação no final sobre o que aconteceu, o texto dá as dicas, a morte do pai e o sofrimento da filha, mas tudo fica um pouco confuso. Fora o fato da morte do pai, há o sofrimento desta filha, tão intenso, criando um novo clima a ser interpretado pelo leitor.

Muito bom! Grande estreia.

Related Posts with Thumbnails