11 outubro 2011

Joseph Hart Vaudeville - FINAL

Por Vitor Queiroz



Epílogo


1


Bla bla bla [ ............. 13pt. ] senhoras e senhores. Rufem os tambores, meu povo e minha pova. O pessoal todo lá do bairro. Beijomeliga, Guilherme de Salla.

Pode aplaudir, borocochô. Chô soy o epílogo. Pra que gastar o lero na s apresentação? Chô no soy, o prólogo, chô soy o epílogo. Batequebate o histrião no bumbo. Na vitrola umas várias vozes martela, martelam, martelo e a peruca da Hebe ainda tá de pé. Viva!


½


Prontofalei, Maria Amélia. Bora? Arruma os traste, cabocla que o picadeiro vai abaixo.

Ajunta os troço,

vamo embora pro Bangu.

Buraco quente, adeus pra sempre meu buraco. Bora se acabar é no buraco do tatu. Quéde o folhetim? Já se acabou, Bia Pupin. Joseph Hart é uma nódoa na página atordoada.

O anão tomou um tiro na nuca.


¾


No verão australiano um peixe de aquário

perde água

no ar atmosférico

dum tapete felpudo. O pianista negro? Foi preso. Porra, aí a merda arrebentou, Valtinho. Maria Amélia, a favela foi abaixo. O respeitável público exigiu de volta a grana o tosco a graça o troco. Marmelada, palhaçada, bufonaria, a traça o toco [ . 1pt. ] um leão de tinta, um elefante de papel, uma mosca enxerida no pé da pagina tão aí no assoalho, ó: rasgados.

O negro encarcerado. Palhaços atarraxando cordas e lonas. A caixa? Foi escancarada. Niente. Pouca merda. No oco da tampa aberta apenas um verso tímido palpitava.

Ai, esposas bicéfalas! Ai, trupe de vasta sensaboria! Ai, platéia esfaimada! Acabou o espetáculo [ . 1pt. ] e agora? e apois? e pá? e hum?

e a chave de vidro?

e o talo do agave?

e a verossimilhança? e o crime? e o revólver?

e o ódio?

e as frestas? e as ripas da arquibancada? e o papel?

e a tarimba?


2


Prontofalei, Valtinho, tá na hora de trocar de enredo. Pular fora, ver a carroça se desconjuntar toda lá na verve do barranco. Salamadunga, mexe com a bunda, blífite, blófite, boom.

Mandinga, mandinga, mandiga. Ai, Maria Amélia, daqui pra frente tudo vai ser diferente [ ............................ 28pt. ] e?


e chave de vidro?............................................................. quebrou-se

e a verossimilhança?........................................................ foi pro brejo

e o papel? .................................................................. molhou-se


apaga o abajur, Believe it or note. Blífite, blófote, boom. Maria Amélia, fecha a porta do barraco. Acende o braseiro, bota aquele vestido justo de chita, louraça Belzebu, louraça, Satanás. Pra gente fazer l´amour.


3


Pode aplaudir, vaquinha bucólica de Vírgilio, o úbere pejado, uma lua na testa. Pode aplaudir, Sr. Análise da Cultura em Sociedades Complexas.

Pode aplaudir, vedete decadente da República Velha. Chegou o epílogo, senhoras e senhores. Pode aplaudir, feiticeiro. Pica a mula, almocreve. Cantarola, Marco Antônio, à bocca chiusa:


Se você disser

que eu desafino amor.


Vai tomar no cu,

por que eu não sou cantor.


3 e ¾


Pronto, os palhaços de seus próprios crimes esquecidos, Israelitas no desterro, vão pintar a cara de novo. Roda a roda na estrada e pronto vai começar tudo de novo. Bora, entonces, abrir os papiros do Nilo, Rafa Noris? Bora?

Profanar túmulo de José,

bafejar a múmia de Jacó?

Chegou o epílogo, triste calle do arrabal. Na vidraça, uma chuva redinha. Friamorna. O rádio transtornado afina a voz. Bota outro disco na agulha. Bora apagar a luz. Bora fazer l´amour:


L´amour toujours.


4


Assim José e a família de seu pai permaneceram no Egito e José viveu cento e dez anos. José viu os filhos de Efraim até a terceira geração e também os filhos de Maquir filho de Manasses nascidos sobre os joelhos de José.

Enfim José disse a seus irmãos, eu vou morrer mas Deus vos visitará e vos fará subir deste país para a terra que ele prometeu com juramento a Abraão Issac e Jacó, e José fez os filhos de Israel jurarem, quando deus vos visitar levareis os meus ossos daqui.

José morreu com a idade de cento e dez anos embalsamaram-no e foi posto num sarcófago no Egito.


5


L´amour toujours.




3 comentários:

Anônimo disse...

No verão australiano
um peixe de aquário perde água
no ar atmosférico
!Bashô Breton!

Marco A.de Araújo Bueno disse...

No verão australiano um peixe perde água, no verão australiano (microconto de es palavras

Magrite Monterroso

Anônimo disse...

Lucila Nogueira
Literatura erudita não é arcaísmo.

Related Posts with Thumbnails