24 janeiro 2010

SOBRE A BELEZA E OUTRAS DORES

por Rafael Noris

Alguém lá em cima me proteja que hoje é dia de cortar grama e o sol está queimando tanto tão vermelho comunista não sei nem por onde começar – Um homem sem chapéu nasce pra se foder – mato lazarento que meu pai deixou para eu cuidar então instalo o fio na tomada e a máquina faz logo seu barulho insone que me lembra os toques noturnos da consciência após um dia sem sentido e quando me deito sempre digo coisas do tipo O celular vai matar a minha avó

Rum rum rum
--------------u
mur mur muR
u--------------
Rum rum rum

Uma hora e é como se estivesse num banho-maria sem maria só a tortura escaldante e as bolhas beijando os calos na mão – Você esqueceu a luva – e o meu carma aumentando aranhas e grilos triturados pela lâmina da máquina e os formigueiros novamente se tornam só areia espalhada e aquelas formigas nervosas como crianças nervosas e mordendo meus pés como se isto trouxesse suas casas de volta será que um dia elas vão entender que esta é uma oportunidade de fazer um formigueiro mais bonito e quem sabe poderão plantar uma flor no topo para que todos saibam que elas também gostam da beleza e pensam

Rum rum rum
--------------u
mur mur muR
u--------------
Rum rum rum

Estou acabando mas também estou acabado e quando me sento para descansar um pouco já começo a compreender a Verdade como se a grama cortada me fosse a sombra d’árvore Bodh o sol começa a ficar mais fraco e os animais se acalmam e vêm até mim se banhar em meu suor logo ouço trinados e pássaros passam por mim e pousam em mim logo também uma mosca em meu nariz uma cobra em meu braço direito e vou me inclinando com minhas costas queimadas meu rosto distorcido pelo calor de antes para a grama toda em volta de mim – Hoje não tomarei banho e tudo estará bem – tudo está belo é belo mas ninguém por perto para tirar uma foto e colocar no Orkut mas não tem mais importância pois os medos adolescentes se foram porque agora eu sei - Estou iluminado.

4 comentários:

Léo PurÊ disse...

O que o Noris escreve sempre me deixa pensativo... Excelente trabalho amigo!

Daniel Serrano disse...

excepcional, meu caro; te sabia do haikai - e da poesia -, no conto é novidade - beleza!

Paola Benevides disse...

Senti até o cheiro do mato. Matou a pau!

Marco A.de Araújo Bueno disse...

Nem todo fluxo de consciência deve ter um humor irlandês. Muito bom!E muito sensorial, concordo com Paola.

Related Posts with Thumbnails