14 setembro 2010

TEORIA DA TÉCNICA PSICANALÍTICA N'A HISTÓRIA SEM FIM", DE MICHAEL ENDE - PARTE II


ILUSTRAÇÃO: Por Alan Carline



TEORIA DA TÉCNICA PSICANALÍTICA...

Por Marco A. de Araújo Bueno

PARTE II (FINAL)

Ao contornar também o hedonismo festivo, proponho algo como um play-game. Tanto assim, que as regras da segmentação que passo a operar, criam a segmentação como um artefato, ligeiro como um caleidoscópio pode ser, se as mãos que o girarem forem ligeiras igualmente...
Tal segmentação vale-se de palavras chaves, apenas por seu caráter remissível, então:
I) Atreiú – As três portas mágicas;
II) O velho da montanha errante;
III) A casa dos loucos;
IV) A Dama Aiuola – A casa mutante – A mãe;
V) O pai – Caverna dos sonhos esquecidos e
VI) Volta para o mundo

Se pode ser surpreendente certa obediência à própria cronologia do texto (já que sugiro uma aproximação ao processo da psicanálise) chega a ser espartana a disciplina para não ceder à sedução da simbologia explícita.
A crítica, então, se infla de indolência. Por uma questão de tropismo, estaria até feliz em tender ao poema. Prefiro, no entanto, segurar-me no nível do “espinafre amarelo”, “salsicha escova” ou “pinta-pescoços” (p. 339- fala de Argax) por não dispor de centenas de milhares de anos. E só o tempo dá sentido a uma combinatória de significantes.

I – Pensem no processo de uma análise. Em que pese toda uma gama de motivações pessoais, há apenas uma entrada possível, quando se está captado no próprio jogo de imagens; capturado no narcisismo e apostando toda a verdade num ego que se acha fonte de significações. Não é à toa que se adoece nesse social, que é uma casa de espelhos cujo morador não mora lá.
Todo o esforço do analista é o de possibilitar, via “Atenção “Flutuante”, distraidamente, (já que o social é tão pregnante) uma certa transição- da esfera do pedido (dessa mímica social jubilatória que leva o analisando a identificar-se narcisicamente com o duplo de si mesmo, a uma miragem que lhe permita apenas reconhecê-lo) à esfera do desejo. É dessa alienação que se parte. É por um apelo que ela se dá.
Atreiú, o duplo de Bastian no mundo da fantasia, funciona como um guia a conduzi-lo para uma nomeação.
Ora, a nomeação funda a própria possibilidade do que Lacan chamou de Simbólico e o faz como a saída do Imaginário especular, narcísico; relação de presença. O símbolo que instaura a relação de ausência (já que é ‘presença da ausência da coisa’) da-se pela permissão de uma possibilidade de se nomear, agora sim, na esfera do desejo, do deslocamento, de metonímia.
Bastian precisará gritar:- “Filha da lua”! É a sua parte no acordo, já que inserido nesse inconsciente-tour intrigante; em alemão “Die Tochter von der Mund”. Teria escapado ao alemão Ende a homofonia Lua/Boca – Mund/Mond?
A saída desse imaginário é a palavra. A princípio pede-se ao analisando que apenas fale (já que se encontra captado em sua fala) e se o enxergará caminhando para uma palavra plena- “la parole pleine”, conforme Lacan.
Rompe-se o imaginário pela boca. Há uma rainha-criança (!) que compende toda a ordem (Simbólico) no mundo da fantasia. Bastian caminha, como numa análise, em busca de providenciar sua própria inserção nesta Ordem simbólica. D
Antes, porém, Bastian-Atreiú haverá de se confrontar com as esfinges, o espelho e a porta do silêncio Prova-certificado da saída do imaginário? A propósito Lacan afirma que não basta que o in-fans se veja “se”vendo no espelho, é preciso que ele se veja sendo visto pelo olhar comprobatório de um outro. Isto o retira da fragmentação do Imaginário.
Até então, Bastian-Atreiú se vê claramente subjugado à mãe (detentora do falo). O reencontro com o pai (cristalizado tal como se pode pensar de um significante primeiro) reporá o falo em seu devido lugar. Para chegar a essa substituição de significantes, para chegar a essa metáfora paterna que lhe permitirá, por fim, voltar ao mundo, Bastian deverá passar pela prova dos olhares das esfinges (... “E elas não vêm nada. Mas o olhar delas o tingiria da mesma maneira” (Enguivuck) - a prova do espelho (penetrar em si mesmo como na análise) e a última das portas, a que... “só aparece depois de se ter passado pela Segunda” (idem, p. 85). A passagem por esta porta esbarra no silêncio da fantasia (o analista comete silêncios significativos) que é para Enguivuck “absolutamente indestrutível”.
Se isso não lembra a recusa do analista em fazer concessões ao “pedido”, ao sintoma enquanto queixa, o trecho que se segue torna a analogia mais clara: “Quanto mais queremos entrar mais hermética se torna a porta. Mas se alguém conseguir se esquecer de todas as suas intenções [Ego, imaginário, ilusão do sujeito] e não quiser absolutamente nada (associar livremente idéias)... a porta se abrirá sozinha perante essa pessoa.”.
É claro que me recorda Nietzsche (o meu corpo-grande razão - tem idéias diferentes de mim), mas há de se reconhecer também certa esterilidade de algumas das aproximações aqui sugeridas. Daí, penso que seja infrutífero julgá-las dogmática ou canonicamente. Afinal, a “curiosidade puramente científica” de Enguivuck não o levou a conhecer Uiulala... Tentadora a aproximação entre o “diálogo” de Atreiú com Uiolala e a Teoria da Técnica psicanalítica no que diz respeito ao contato analítico (vide Freud, in” Conselho aos Médicos...”)
“Quem sou eu? Murmurou (Atreiú, que à pergunta “quem é você” recebeu um eco “quem é você”?). Um analista poderia dizer como Uiulala:
“Pois aquilo que não escuto em verso (relevo fônico do significante) entendo sempre de modo diverso (pregnância do social)”; ou, “Quem sabe é quem? Agora te entendo bem”. Uiulala, a voz do silêncio, continua como em um contrato analítico: -“Mesmo que não me vejas/ Ainda estarei lá”. Mostra ainda que é apenas um ponto na cadeia de significantes, um representante da ordem simbólica, um semblante, fazendo o gosto da rima: “... não sou visível na luz/ Como tu és ao te olharem (social) /Pois meu corpo é nota e tom/Por isso apenas audível/ E nesta voz tens o som “do meu único ser possível”.
Faz-se o convite ao simbólico: “Porém, se novo nome encontrarmos/ Seu mal será logo banido” (a relação dual, o imaginário na relação simbiótica com a mãe romper-se-ia e daria lugar à palavra). Lembra, também, a essência do processo:- “E tudo dependerá/ de seres capaz, ou não”; e, finalmente, propõe-se como ausência:- “Tal resposta a ti te cabe/meu dever é avisar/chegou a hora, já é tarde, já é tarde/ temos de nos separar”
Poder-se-ia também aproximar a concepção lacaniana de Tempo lógico, com a fala de Enguivuck (p. 104):
“O espaço e o tempo, disse Enguivuck, eram talvez diferentes no lugar onde você esteve...” O inconsciente desconhece tempo cronológico e categorias de negação!

II – O velho da montanha errante.
Nessa passagem, Bastian emerge aos limites do consciente, e mergulha na fantasia, como leitor e personagem, numa infinita cadeia de ler-se lendo. É o ponto de tensão maior, quando em ultima cartada desvenda-se o eterno retorno, o fim e o princípio que deixam de existir em pró do círculo: são as cobras se comendo que formam o Aurin. Voltando a questão da análise, refaz a vivência da compulsão da repetição, que traz sempre o presente resignificando o passado e lançando para o futuro o que se fez em passado. Isso engatilha a idéia de que os futuros vindouros serão apenas nostalgia de algo perdido. “Assim é que, na seqüência d’A História sem fim”, quanto mais Bastian “cumpre” seus desejos, mais seu passado é apagado e menos capaz de desejar ele se torna, ou seja, não há desejo sem memória: “a esperança é a saudade virada ao avesso.”

O paralelo traçado aqui entre o processo de análise e a trajetória de Bastian aponta necessariamente para uma diferença sutil: Bastian não inventa seu percurso, ele o recria e o refaz. A busca aparentemente eufórica no texto corresponde a um desejo de busca que perpassa o texto, refaz um percurso e ancora num significante.
No mundo da fantasia, portanto, não há lugar para o acaso, que só se dá na diacronia e no sintagma (vide Jakobson, um outro Roman... in “Lingüística e Comunicação”) e precisa do contrapondo da realidade para a concessão de toda a sua carga de “loucura” que dele deriva. Ou seja, ali onde os significantes podem dançar em entrechoques, atropelarem-se e saindo de cima voltarem por baixo (Banda de Moëbios) não há lugar para surpresas. Veja-se, por exemplo, a seguinte passagem:- “Ora, na realidade estamos à sua espera há muito mais de cem anos, respondeu a mulher. Já a minha mãe, e a minha avó, e a avó da minha avó esperaram por você. Veja bem... estou contando a você uma história que é nova e, no entanto, refere-se a tempos muito remotos”.
Enfim, é como se o passeio de Bastian fosse a hipérbole de um reconhecimento que, em dado contrato, corresponderia aos “insights” do analisante, rumo à idéia (“Angst”) de como a sua liberdade é algo muito mais restrito do que ele supunha. Só há liberdade, a propósito, dentro dos limites deste confinamento estrutural, lingüístico (vide “Cours de Lingüistic General” de Ferdinand Saussure), aliás!

III – Se a única possibilidade de liberdade radical reside na loucura (“na medida em que ela se instale no “reino da semelhança”, no “eixo paradigmático”, conforme explica Michel Foucault n’As Palavras e as Coisas”) e se nada ao acaso ocorre, Bastian tinha de se defrontar com o medo da insanidade, pelas mãos irônicas de Ajax. E aí que ele se encaminha para a “Cidade dos Antigos Imperadores”. Local reservado àqueles que, ao perderem totalmente sua memória, são desligados do “mundo” e tornam-se incapazes de “desejar”. Só se deseja aquilo que já se conhece. Apagar o passado é impossibilitar o futuro, e se perder no paradigma, que é a própria loucura. Para eles só resta brincar da paradigma (jogo de letras, o “estado de dicionário” a que aludia Drummond, a palavra “in absentia”) até que alguns sintagmas comecem a surgir, e quem sabe forme-se outro livro. Há sempre a alusão a princípios, nada é final absoluto.
A saúde mental de Bastian está no horror que a cidade dos loucos lhe causa. É só o seu pavor ao vazio que o breca em seu insano caminho pela fantasia. Restam-lhe apenas poucas lembranças, mas agora compreende sua peregrinação. Até então considerava-se o mais sábio da Fantasia, tanto que almejou o poder supremo pertencente a “ilha da Lua”. E torna-se, agora, o mais miserável na fantasia, pois busca algo que já não se recorda, e vislumbra, no futuro, o desvario. Tal como Édipo, cujo drama, bastante próximo, se desenrola todo no decurso de apenas um dia.

IV – Todo o percurso na análise não passa de uma revisitação, via transferência, às figuras parentais, arcaicas. Se, pelo início dessa reflexão, falou-se de imaginário e simbólico, nessa ordem, é porque a primeira tarefa existencial é alienar-se num desejo de um outro materno. É enquanto a criança almeja tornar-se objeto de prazer e gratificação de uma mãe, marcada pela carência do “falus” (“penis-neid”, para Freud) que se pode pensar no registro do imaginário: a criança vive simbiótica e indiscriminadamente, o drama de submeter-se à mãe como representação do falus que lhe falta. É exatamente o que Bastian, num primeiro momento, vivencia: Veja-se o diálogo sobre a questão das frutas: -“Não sei, disse Bastian perplexo. Não se podem comer coisas que crescem em outra pessoa. Por que não? Perguntou a Dama Aiuola. Os bebes também mamam o leite de suas mães. É uma coisa muito bonita./ pois é, interrompeu Bastian, corando um pouco, mas só enquanto são muito pequenos./ Então, disse Dama Aiuola radiante, você precisa se tornar outra vez pequenino, meu lindo menino”. Toda essa dinâmica tem início em uma separação: a mãe vê separar-se de seu útero a criança. O útero “é maior por dentro do que por fora” (p. 356), como a casa mutante do livro de Ende.
A Dama Aiuola é a imagem da sedução que se constituiu para o intrigado Bastian na idéia de uma mulher gerando frutos de seu corpo inesgotavelmente. É a própria captação no “Éden” do Imaginário. No entanto, na dinâmica do Édipo está implícita a idéia de que só se pode sair do narcisismo, do erotismo simbiótico e dual, enfim, só se consegue amar (no sentido de investimentos objetais) quando se rompe o idílio do imaginário com o estabelecimento de uma triangulação. Deverá haver um terceiro social a mostrar à criança que ela poderá ter o falus e o amor se renunciar a ser o falus materno, e sucumbir às instâncias pré-simbólicas. Novamente há o paralelo com o caminho de Bastian que, ao sentir necessidade do amor, está pronto para quebrar o idílio da casa mutante e partir em busca das águas da vida.
Bastian descobre seu último desejo: amar. Para isso deve se encaminhar para a Fonte da Vida:- “Só poderá fazê-lo quando tiver bebido das Águas da Vida, respondeu ela, e não pode voltar ao seu mundo sem levar dessa a outro” (fecha-se outro círculo). Bastian deverá separar-se de Dama Aiuola:- “Só preciso de alguém a quem possa dar o que tenho a mais”’, ela lhe diz, quando a mensagem poderia ser: “a minha carência constitui você como objeto da minha falta, daquilo que tenho a menos”.

V – É preciso que se escave fundo no terreno das fantasias para que se chegue ao que Lacan chamou de “point de capiton”. Lá, onde se ancora o significante primeiro, o significante “Nome do pai” (“Le nom du pére”). Bastian deverá descer mina onde jazem os sonhos esquecidos- substrato da fantasia- para alcançar esse Pai que é possibilidade de nomeação. Tendo, portanto, contornado a psicose (é por não ter “foracluído” tal significante que seu retorno é bem sucedido) e emergido do imaginário, que Bastian descobre esse rosto triste de pai cristalizado na placa de mica. As últimas linhas do livro dão conta do retorno de Bastian à realidade e da presença de um pai que também precisou ser redescoberto e que, por fim, lhe concede e lhe permite a possibilidade de autonomia: agora Bastian pode se autonomear e nomear sua própria falta, última etapa de uma análise. Bastian é, então, essa espécie de pervertido, porquanto a sua viagem toda não tenha passado de uma versão da fantasia em direção ao simbólico. De uma versão para o pai. De uma “pére version”.

-“Há muitas portas para a fantasia meu rapaz. Há muitos outros livros mágicos. Muitas pessoas nunca percebem isso. Tudo da pessoa em cujas mãos o livro vai parar”.
Há pelo menos uma razão plausível para se falar em fantasia: a de refazer um percurso de concavidade. Pensar, nessa palavra é quase tocá-la... tocar o côncavo, sensual e distraidamente- eis um exercício de puro Princípio do Prazer...



                                                    Rubem Alves - Filosofia da Linguagem
                                                        ensaio de final de curso













2 comentários:

Cecilia disse...

Para a dupla Marco/Alan, parabéns. É excelente a exposição que nosso Psi faz da sua técnica, baseado no livro de Ende. E o Alan, com seu colorido talento, estabelece o contraponto perfeito.

Marco A.de Araújo Bueno disse...

Lisonjeado,Cecília. Até porque o De Chaleira ainda não conhece(aguadem a próxima quarta, 22!)a potência e leveza de sua lavra de ensaios,estes,bem mais ágeis e menos impergigados,que, a usina Prada nos reserva.Alan,aliás,já guardaa alcunha de homem-usina...

Related Posts with Thumbnails